LINDOS PASSOS

Wendy Mo-Ying Shek, Elgin, Reino Unido

Aleluia, em nome do Senhor Jesus Cristo dou o meu testemunho. Em abril de 2001, Deus levou um familiar muito próximo a mim: minha tia, a irmã Shek, esposa de um diácono. Ela também era uma mãe, esposa e irmã em Cristo. No ano de 1999, ela foi diagnosticada com câncer de pulmão e faleceu aos cinquenta anos de idade.

Este testemunho é um relato de como uma crente da Verdadeira Igreja de Jesus lutou por sua vida enquanto decaía física e espiritualmente, compreendeu a vontade de Deus e deixou o mundo refinada como ouro puro. Desejo usar sua história como um estímulo para aqueles que ainda estão neste mundo.

O início da doença
O problema iniciou-se há muitos anos atrás, quando minha tia começou a tossir frequentemente e de forma estranha. Ela havia mostrado dificuldade para cantar no coral da igreja e costumava dizer que lhe faltava fôlego, algo que antes nunca havia acontecido.

Esse problema se tornou mais sério, especialmente quando cantou sozinha para uma convocatória espiritual. O hino se chamava “Vou a Ti, Senhor!” (I am coming, Lord). Lembro-me do dia em que cantou, pois, aquele momento foi realmente muito bonito.

Além de cantar, ela se destacava por trazer risadas e alegria, e dentro da igreja todos a conheciam por isso. Assim, foi muito mais doloroso para mim e para outros irmãos e irmãs vermos que seu estado piorava.
Depois de um longo período de exames, um raio x revelou uma mancha suspeita no pulmão. Os médicos a tranquilizaram e explicaram que a possibilidade de ser câncer era remota, já que ela ainda era jovem e não fumava.

Porém, ainda era necessário realizar uma biópsia do tecido e isso implicava em uma simples operação. O que aconteceu depois parecia estar realmente além da imaginação de todos.
Na sala de operação, o cirurgião descobriu um tumor em seu pulmão e foi necessário extrair um pulmão inteiro. Minha tia saiu da sala com muita dor e teve cada vez mais dificuldade de se adaptar a ter apenas um pulmão. As notícias que se seguiram foram as mais preocupantes e difíceis de aceitar.

Comovida pelo amor
O tumor encontrado era maligno, por isso ela teve que passar por sessões de quimioterapia. Esperávamos que o tratamento matasse as células cancerígenas e impedisse que o tumor se alastrasse.

Lembro-me de ver o quão fraca ela estava, especialmente após a quimioterapia. Parecia que a alegria que ela antes transmitia tão abertamente, fazia com que a tristeza que sentíamos fosse mais dolorosa.

Durante as férias de verão daquele ano, alguns pregadores vieram à igreja de Elgin para um treinamento. Nos dias em que não precisava trabalhar com meus pais, ia até a igreja com a minha tia para participar das sessões de oração. Nossas conversas e o tempo que passávamos juntas eram sempre alegres.

Uma noite, quando a levava para casa, ela disse ao pregador e a mim quão triste ela se sentia por nunca mais poder cantar. A resposta do pregador ficou gravada na minha cabeça: “Não podes tornar um cabelo branco ou preto” (Mt 5:36). De repente, me dei conta de como eu era insignificante.

Muitos irmãos e irmãs persistiram em suas orações por minha tia e manifestaram seu amor fazendo comidas e sopas nutritivas para ela. Percebi que realmente me senti comovida por eles.

Além de tomar os medicamentos, também tomava ervas recomendadas por um médico chinês. Ainda assim, sua tosse persistia e piorava.

Perdendo a esperança
O câncer havia se expandido até o cérebro, o outro pulmão e outros órgãos vitais. Mais uma vez, ela devia ser submetida a mais tratamentos. Ao escutar essa notícia, uma amiga e eu fomos ao hospital visitá-la.

Havíamos nos preparado para consolá-la, mas quando chegamos ela estava muito animada e tranquila. Falamos sobre muitas coisas e ela não mostrou nenhum sinal de ansiedade. Foi um lindo momento e até hoje o aprecio muito.

Quando a vi novamente, ela havia mudado muito. Seu corpo havia se tornado inacreditavelmente frágil e todo seu cabelo havia caído. Mais uma vez abateu-se física, mental e espiritualmente. Os irmãos e as irmãs estavam de luto com ela, dia após dia, o luto crescia.

Quando estava em condições de ir à igreja, pediu que orassem por ela. Parecia que estava perdendo as esperanças e que pedia ajuda por ela. Nos demos conta de que estava com muita raiva e não sabia por que tinha essa doença. Essa mesma pergunta passou pela cabeça de cada um de nós, pois ela costumava ser uma das irmãs mais fervorosas e alegres da igreja.
Nos meses seguintes que se passaram, muitos irmãos e irmãs de outras regiões vieram a Elgin para visitar minha tia. Ela chorou porque a realidade a feria, sabendo que não lhe restava muito tempo de vida.

Deixe que suas lágrimas se convertam em força
Algo começou a mudar. Enquanto nossa tristeza se aprofundava, sua fé crescia a grandes alturas. O pranto cessou e enquanto os outros seguiam chorando, ela levava dentro do seu coração coragem e paz.

Um dia, em outra visita da comunidade das irmãs, fizemos uma oração por ela. Naquela oração, senti que a vontade de Deus não era curar minha tia, assim mudei meu pedido, e pedi a Deus que tivesse misericórdia dela para que não sentisse mais dor.

Antes de partir, todos lhe disseram palavras de incentivo, e suas palavras eram comoventes e emocionantes. Mas ela dizia palavras ainda mais reconfortantes, e nos disse para não chorar porque os cristãos têm a verdadeira esperança. Estas foram as últimas palavras que disse às irmãs: “Deixe que suas lágrimas se convertam em força”.

Na semana antes de seu falecimento a visitei com meus pais. Ali, ela nos contou sobre uma visão que teve em oração antes de ficar doente. Naquela oração ela viu alguém deitado e que as pessoas que caminhavam até esse corpo tinham expressões de tristeza em seus rostos. Depois da oração, ela decidiu não contar essa visão a ninguém já que era muito estranha.

Minha tia disse com muita calma que Deus lhe revelou que iria morrer. Ela estava pronta para ir e entendeu que essa era a vontade de Deus.
Depois do seu falecimento, uma irmã deu um testemunho sobre minha tia. Isso aconteceu em uma de suas visitas na casa da minha tia. No meio de uma oração, ela chorou amargamente a Deus e lhe pediu que curasse minha tia. Naquele momento, escutou uma voz dizendo que essa não era a vontade de Deus. Ao escutar isso, chorou ainda mais forte e abraçou minha tia, que estava orando ao seu lado.

A esperança nos une
Senti-me obrigada a escrever esse testemunho porque a história da minha tia é a vitória espiritual mais próxima que experimentei. Estive presente quando minha tia prevalecia durante os altos e baixos na última etapa da sua vida.

Sua atitude e coragem me inspiraram a me dedicar mais fervorosamente em minha fé. Espero que através desse testemunho possa entender mais claramente a vontade de Deus e aprender algo dos lindos passos da vida da minha tia. Sinto muita saudade e espero vê-la novamente no céu. Que toda a glória seja para nosso senhor Jesus Cristo. Amém.

Ler mais artigos sobre Guia